Notícias

30/11/2018 - Projeto “Praia limpa é nossa onda” retirou aproximadamente 100 quilos de lixo do fundo do mar

Movimento contou com a participação de banhistas, funcionários e clientes do Tecon Salvador, Wilson Sons Agência e Wilson Sons Rebocadores; Duas ações já estão programadas para ocorrer no primeiro semestre de 2019.

A comunidade se uniu ao movimento “Praia Limpa é nossa onda” no dia 24 de novembro (sábado), e em seis horas de mergulho e caminhadas entre o Farol e o Porto da Barra retiraram, nesta primeira edição, aproximadamente 100 quilos de lixo do local. Entre os objetos encontrados, estão aproximadamente 1.000 bitucas de cigarro, 700 espetos de churrasco, tampas de garrafa pet, canudos e palitinhos de sorvete, além de muitas garrafas de água mineral e latinhas de cerveja. Todo material foi encaminhado a uma empresa especializada para separação do que pode ser reciclado e descarte adequado.

O empresário Luiz Valverde, de 52 anos, foi voluntário na ação e contribuiu com a coleta e triagem do lixo. Praticante de esporte na praia, ele acredita que ações como essa deixam nos banhistas uma mensagem de alerta. “Com certeza, as pessoas que estão na praia vendo essa mobilização irão pensar melhor sobre o lixo que deixam depois de um dia de curtição na praia. Por isso, quanto mais ações como essas acontecerem, melhor”, avalia Valverde.

O Projeto Praia Limpa é uma iniciativa do Terminal de Contêineres do Porto de Salvador (Tecon Salvador), um dos principais operadores de entrada e saída de cargas do estado, em parceria com a Wilson Sons Rebocadores e Wilson Sons Agência, todas, companhias do grupo. De acordo com a empresa, a ação tem o objetivo contribuir com a conscientização da sociedade para a importância de zelar pela vida marinha e limpeza das praias de Salvador. Elísio Dourado, Gerente Regional da Wilson Sons Rebocadores, declarou que a empresa, que tem sede no Rio de Janeiro, pretende adotar a ação nas praias cariocas. “É fundamental que todos tenham essa consciência, porque a gente trabalha no mar. O mar é nosso ambiente e a gente precisa cuidar dele”, avalia.

Idealizadora do projeto, Patrícia Iglesias, diretora comercial do Tecon Salvador, explica que pelo menos outras duas ações já estão programadas para ocorrer no primeiro semestre de 2019. “Nosso desejo é praticar essa ação em outras praias do nosso entorno, espalhando a ideia em outros pontos da cidade. Acredito que, quanto mais gente mobilizada, engajada a fazer o bem, isso tende a reverberar no coletivo, contagiar as pessoas e conscientizá-las de que ao cuidar da natureza estamos cuidando de nós mesmos e do futuro das novas gerações”, conclui. Através da hashtag #teconsustentavel, os participantes poderão compartilhar na internet o resultado da coleta e mobilizar mais pessoas a participarem das ações futuras.

Sustentabilidade – Há alguns anos o Tecon Salvador promove uma série de projetos para tornar a sua estrutura autossustentável, diminuindo o consumo de recursos naturais e a emissão de gases poluentes. Foram adquiridos equipamentos elétricos que geram a própria energia consumida, a exemplo dos 9 RTGs elétricos - uma só máquina deixa de emitir 48t de CO2, em um ano -, assim como a implantação de tecnologias e sistemas que trouxeram bons resultados.

Através do sistema de controle de uso e redução do consumo de água potável, que inclui, monitoramento remoto (online) de todo o sistema hidráulico, captação de água da chuva e estação de tratamento de efluentes, o Tecon Salvador conseguiu reduzir de 1.627m3 para 616m3/mês o volume de água potável comprada, complementando a demanda necessária com estes recursos. Com isso, no terminal há um consumo de apenas 38% do consumo histórico, uma economia de mais de 62%. A água, proveniente destes recursos implantados em 2016 é utilizada para lavagem semanal de equipamentos de uso no terminal, como caminhões e empilhadeiras, pisos e descargas dos banheiros.

O Tecon Salvador possui o selo ISO 14001. A certificação é uma validação do interesse e responsabilidade da empresa com o meio ambiente, demonstra que o terminal é capaz de identificar e administrar seus impactos na natureza, melhorando suas operações, reduzindo riscos e contribuindo para o seu desenvolvimento econômico e socioambiental. Para se chegar à obtenção do certificado, a empresa montou equipe dedicada a realizar o mapeamento dos processos internos, levantamento de aspectos e impactos ambientais, delimitou os procedimentos, controles e indicadores necessários à aplicabilidade da norma, e também promoveu treinamentos e auditorias internas, um caminho percorrido ao longo de três anos.


Fonte: Portal Fator Brasil