Segurança do trabalho é marca do Tecon | Grupo Wilson Sons 
Notícias

19/12/2018 - Segurança do trabalho é marca do Tecon

Administradora do terminal de contêineres do porto do Rio Grande desde 1997, o Tecon Rio Grande S.A. foi reconhecido pelo Prêmio de Responsabilidade Social pelos investimentos realizados em segurança do trabalho, sustentabilidade e projetos voltados para a comunidade.

As iniciativas sustentáveis são integradas ao desenvolvimento da companhia, praticando ações muitas vezes pioneiras no ramo de administração portuária. O Tecon Rio Grande é controlado pelo grupo Wilson Sons de Comércio Ltda., o primeiro na área a se comprometer com o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) de desenvolvimento sustentável, além de ser uma das fundadoras do Conselho Brasileiro de Voluntariado Empresarial (CBVE), uma rede de desenvolvimento de boas práticas e conscientização de empresas.

Já o Tecon, um dos primeiros do setor a adotar a metodologia do Programa Brasileiro do GHG Protocol, publica, anualmente, desde 2014, um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). Entre 2016 e 2017, a empresa conseguiu reduzir 2% na emissão.

O Tecon Rio Grande também obteve os selos OHSAS 18001:2007, para as empresas que promovem ações de segurança de trabalho e cuidados com a saúde dos funcionários; e ISO 14001, para quem investe na preservação do meio ambiente através da redução de impactos.

A companhia também diminuiu drasticamente o número de acidentes de trabalho que acarretam afastamentos. Implementado em 2011 pela Wilson Sons, o prêmio WS consagrou a diminuição de 97% nos índices e os mais de 4 milhões de homens-hora contínuos sem acidentes com afastamento.

Além dos investimentos no âmbito corporativo, o Tecon Rio Grande atua em projetos sociais externos, inclusive em áreas que, historicamente, enfrentam problemas financeiros. Uma delas é o paratletismo, que a empresa se engaja através do riograndino Vladmi dos Santos. Ex-funcionário do porto, Santos perdeu a visão aos 34 anos por causa de uma doença degenerativa. Hoje, aos 47, ele tem em seu currículo corridas nos desertos do Atacama, Saara e Gobbi. Em 2015, o competidor quebrou um recorde mundial ao fazer o maior percurso sem guia feito por um atleta deficiente visual: 69 quilômetros, entre a Praia do Cassino e a Barra do Chuí.

O apoio a Santos é apenas um exemplo. A empresa realizou ainda doações mensais para entidades que auxiliam pessoas em situação de vulnerabilidade, como o Banco de Alimentos, o Movimento Colmeia, a Comunidade Terapêutica Vida Nova de recuperação de viciados em drogas e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Somado a isso, foram feitas doações tópicas, como de 120 cobertores entregues para o Hospital Universitário da Universidade Federal de Rio Grande (HU-Furg), material de construção para as obras de reforma da 7ª Delegacia de Polícia, entrega de leite em pó para comunidades carentes e envolvimento na Campanha do Agasalho.







 


Fonte: Jornal do Comércio