Notícias

13/10/2016 - Wilson Sons assina contrato para serviços de rebocagem no Porto do Açu por 10 anos

A Wilson Sons assinou na última terça-feira (11) o contrato definitivo para fornecimento de serviços de rebocagem no Porto do Açu, localizado em São João da Barra (RJ). Em fato relevante, a Prumo Logística, empresa que administra o porto, informou que o contrato tem vigência de 10 anos e prevê a disponibilidade do serviço com qualidade e com tarifas competitivas para os clientes do porto.  A Wilson Sons utilizará um píer dedicado e poderá contar com uma base de rebocadores no Porto do Açu. Inicialmente a frota será composta por cinco embarcações, sendo que dois rebocadores terão tração de 80 TBP (toneladas de bollard pull) e guinchos com função render.

Todos os rebocadores estão aptos a realizar manobras em operações de entrada e saída de navios tipo Panamax, Aframax, Capezise, Suezmax, VLCC e LNGC, em lastro e carregados. O serviço de rebocagem será realizado nos terminais onshore (T2) eoffshore (T1) do porto. O T1 é dedicado à movimentação de minério de ferro e petróleo, com berços construídos em 3 quilômetros de cais. Em operação desde outubro de 2014, o terminal já recebeu mais de 100 navios de minério de ferro para a Anglo American e movimentou mais de 13 milhões de toneladas do produto.

No T1, também está localizado o Terminal de Petróleo (T-OIL), já em operação e que possui capacidade para movimentar 1,2 milhão de barris de petróleo por dia. O T2 é um terminal no entorno de um canal para navegação com 6,5 quilômetros de extensão, 300 metros de largura e até 14,5 metros de profundidade. As empresas Technip, NOV, InterMoor, Wartsila, Edison Chouest e TECMA (Terminais de Combustíveis Marítimos do Açu) já estão operando suas unidades no terminal.

Em agosto, a Prumo e a Wilson Sons haviam firmado termo de compromisso estabelecendo as principais condições técnicas e comerciais a serem adotadas pela Wilson Sons na operação de rebocadores para os clientes do Porto do Açu que, em 2015, recebeu mais de 200 embarcações e realizou mais de 60 operações de minério de ferro. A previsão é que, anualmente, as empresas avaliem as características da frota, que pode ser alterada de acordo com a demanda.


Fonte: Portos e Navios