Notícias

07/3/2018 - Wilson Sons registra crescimento de 150%

O Grupo Wilson Sons, que possui um Centro Logístico no Complexo Industrial Portuário de Suape, aposta nas cargas de projeto para manter o ritmo de crescimento em 2018. A meta é alta: anualmente a média tem sido de 150%. Neste mês, o grupo comemora cinco anos de operação em Pernambuco.

“Desde 2015, temos dedicado grande esforços sobre o mercado de energia solar e podemos dizer que hoje oferecemos uma solução robusta, capaz de atender todas as empresas do segmento. Além disso, temos atuado como um hub para suprir demandas nas regiões Norte e Nordeste, diminuindo tempo e custo de transporte”, afirma a diretora comercial da Wilson Sons Logística, Patrícia Iglesias.

A unidade faz parte da Plataforma Nordeste da empresa, composta pela Estação Aduaneira (EADI), Centro de Distribuição e serviços de transporte, que somam investimentos de R$ 18 milhões. Dessa forma, cargas de importação ou de exportação – que exigem alfandegamento – podem ser movimentadas, armazenadas e distribuídas para o mercado doméstico a partir de um mesmo local.

Atualmente, o centro logístico tem na carteira de clientes indústrias, embarcadores e armadores, operando com os mais diversos tipos de produtos, como químico, automobilístico, farmacêutico, alimentos e bebidas. Apesar da diversificação do mercado, no ano passado, as operações que mais aumentaram foram nos segmentos farmacêutico e químico. “Um dos diferenciais para esses dois setores é que temos licenças operacionais específicas para trabalhar com esse perfil de carga. Para isso, realizamos uma série de adaptações necessárias, que garantem a segregação física através de áreas dedicadas”, ressalta Patrícia.

EMPRESA

Com atuação nacional, o grupo é um dos maiores operadores logísticos integrados de logística portuária e marítima no mercado brasileiro, com mais de 180 anos de experiência. Além da Plataforma Nordeste, a Wilson Sons Logística opera a Plataforma Sudeste, em Santo André, São Paulo, que conta com o Centro de Distribuição e a Estação Aduaneira de Interior (EADI), considera o maior porto seco do estado.

 


Fonte: Diário de Pernambuco