Tecnologia

Tecnologia

Para ampliar a segurança e a eficiência de suas operações, a unidade de rebocadores da Wilson Sons investe continuamente em tecnologia para as embarcações:
 
Projetos das embarcações
Todos os rebocadores da frota são construídos a partir de projetos da empresa holandesa Damen, referência mundial no setor de construção naval, o que garante o padrão de qualidade das suas embarcações, além de possibilitar o desenvolvimento de soluções mais adequadas à realidade da empresa.

Os rebocadores contam com propulsores azimutais Rolls Royce e Schottel, que permitem maior capacidade de manobra, além de proporcionar maior segurança e agilidade e com motores Cattepillar, que atendem normas internacionais de redução de poluentes ambientais. 
 
Central de Operação de Rebocadores (COR)
A Central de Operações de Rebocadores (COR) rastreia remotamente as embarcações da empresa e gera indicadores sobre o seu uso, colaborando na elaboração de estratégias e reduzindo os riscos de acidentes. Uma das vantagens do uso da tecnologia é um sistema de alarmes, ou seja, avisos de ações que possam vir a comprometer as operações em tempo hábil para que sejam corrigidas. Desta forma, possibilita a redução do consumo de combustível com o melhor planejamento do deslocamento das embarcações e aproveitamento da proximidade dos rebocadores com os navios a serem manobrados, além do controle da velocidade de deslocamento.

A COR monitora rebocadores nos seguintes portos: Santos (SP), São Sebastião (SP), Rio de Janeiro (RJ), Itaguaí (RJ) , Porto do Açu (RJ), Paranaguá (PR), Imbituba (SC), Itajaí (SC), São Francisco do Sul (SC), Vitória (ES), Recife (PE) e Suape (PE), Fortaleza (CE), Pecém (CE), Salvador (BA), Rio Grande (RS), Belém (PA), Vila do Conde (PA) e Trombetas (PA).
 
Centro de Aperfeiçoamento Marítimo William Salomom
Os colaboradores da divisão de rebocadores da Wilson Sons são treinados no Centro de Aperfeiçoamento Marítimo William Salomon, no Guarujá (SP).

Um dos grandes diferenciais do centro é um simulador que integra a operação de navios e rebocadores, seja no apoio portuário, marítimo ou offshore. A companhia investiu em instalações e equipamentos, que reproduzem situações extremas que não poderiam ser simuladas no mar, como condições adversas de vento e maré, avarias operacionais e rompimento de cabo de reboque durante as manobras.

Tuglab
O projeto Tuglab é composto por um grupo multidisciplinar, que questiona o status quo e visa agregar inovação e eficiência para o negócio rebocadores. Usar aplicativos mobile para cadastrar manobras em tempo real, registrar as manutenções através de QRCODE e disponibilizar uma plataforma que integra a comunicação entre bordo e terra já são uma realidade no negócio. Além disso, está em fase de teste a utilização da inteligência artificial para mapear a melhor localização de uma manobra. Todas essas inovações facilitando a coleta de informações, a rastreabilidade dos processos e uma maior precisão sobre o uso dos nossos ativos.